Brasil deve ganhar 50 novas marcas de luxo

Mercado_de_luxo-Italia

Cerca de 50 novas marcas de artigos de luxo deverão se estabelecer no País nos próximos cinco anos. Entre os quatro emergentes que compõem o grupo dos BRICS (bloco econômico formados por Brasil, Rússia, Índia e China), o Brasil é o que deverá atingir a maior taxa de crescimento na venda de artigos de luxo até 2013, segundo previsão da especialista em consumo global e varejo, Claudia D’Arpizio, sócia da consultoria Bain & Company na Itália. Ela sustenta essa previsão da chegada de novas marcas ao País com base em uma pesquisa anual feita com 200 grifes de luxo na Europa.
Em cinco anos, o mercado brasileiro de artigos de luxo, que engloba não apenas roupas, mas também perfumes, jóias, cosméticos e acessórios, entre outros, deve aumentar 35%, seguido pela China, com 30%. Apesar da maior taxa de crescimento prevista, o Brasil respondeu em 2007 por apenas 0,8% ou 1,3 bilhão do mercado de luxo global. Entre os BRICS, a China lidera, com 4,5 bilhões, ou 2,7% das vendas mundiais em 2007.
Os números foram apresentados pela ontem, em São Paulo, durante a 1ª Conferência Internacional do Negócio do Luxo, que se encerra hoje. “O cenário está muito complexo para esse segmento de mercado”, disse Claudia. No ano passado, o mercado de luxo movimentou 170 bilhões no mundo, dos quais 38% na Europa e 33% na América do Norte. Para este ano, a expectativa de crescimento global é de 6,5% nas cifras globais, mas com taxas de crescimento menores nos mercados maduros dos Estados Unidos, Europa e Japão. As informações são do source jornal O Estado de S. Paulo. (AE)