Oportunidades existem para quem as enxerga

mercado_deluxo_site

Por Renato Muller

A crise se instalou no varejo brasileiro ao longo de 2015, com resultados decrescentes conforme o ano passava. Em alguns setores, como os mais dependentes de crédito, o desempenho foi pior, mas o País enfrenta por toda parte um cenário de pouca confiança dos consumidores, redução do crédito disponível, aumento do desemprego e queda da renda. Ainda assim, continua a haver muitas oportunidades para quem souber identificá-las.

Recentemente um dos principais empreendimentos de luxo do País, o JK Iguatemi, em São Paulo, disse que sua receita bruta recuou 0,4% no terceiro trimestre do ano, enquanto seu grupo controlador teve um aumento de 7,4% em seu faturamento. A razão? A saída de operadores internacionais, como Kate Spade e TopMan, do mercado brasileiro. Por outro lado, a Cartier abriu em setembro uma unidade no Shopping Iguatemi, também na capital paulista, a maior da empresa no País até agora. Em abril, a Ralph Lauren já havia inaugurado sua primeira flagship no Brasil.

Com a expectativa de que as cidades do interior do País tenham nos próximos anos um crescimento mais expressivo que as capitais (onde as marcas de luxo se concentram), especialmente em regiões mais ligadas ao agronegócio, a alta do dólar deve ter o efeito positivo de manter consumidores no mercado nacional. Se para quem sai do interior de Goiás uma viagem para Paris ficou muito mais cara do que no início do ano, São Paulo continua próximo. Não tem o mesmo charme, evidentemente, mas…

As marcas posicionadas como “luxo acessível” têm sentido mais fortemente os efeitos da variação cambial e da crise econômica, fazendo com que busquem eficiência e melhorias na gestão para ultrapassar esse período de dificuldades. Tanto para elas quanto para as marcas mais exclusivas, porém, a receita para crescer nesse momento passa pela criação de motivos para que os clientes retornem às lojas e pelo relacionamento com os consumidores. Estar presente na mente dos clientes e desenvolver “gatilhos” para que eles retornem constantemente, identificando oportunidades em produtos, serviços e públicos específicos, é uma estratégia que gera resultados.

 

Renato Muller é jornalista especializado em varejo, cofundador da boutique de gestão de conteúdo Kafer Studio, articulista, palestrante e escritor.