Segundo relatório da Bain & Company o mercado de luxo da China caiu US$ 17 bilhões em 2015

mercado-luxo-chinaPor Luz Vaalor

Artigo exclusivo para Valor LuxuryLab

A China vem enfrentado desafios constantes para manter seu segmento de luxo ativo: de acordo com o estudo “2015 China Luxury Market Trends – Can it rebound?”, elaborado pela Bain & Company, o mercado chinês de luxo caiu 2% em 2015, tendo registrado prejuízo de 113 bilhões de Yuanes, equivalente a US$ 17,2 bilhões, em decorrência de fatores como a política “anti-gifting”, que desestimula o recebimento de presentes luxuosos por executivos a retração econômica a quebra da bolsa de valores e à expansão do e-commerce mundial.

Ainda de acordo com o estudo, o decréscimo do lucro no segmento de luxo não deve a queda no consumo da população chinesa – mas sim , é que com a ascensão da classe média do país, muito mais chineses têm a possibilidade de viajar, e acabam realizando a compra de artigos de luxo em países da Europa e Oceania. Além disso outro fator colaborou com a queda do luxo da China é o chamado canal Daigou, espécie de rede de personal shoppers estrangeiros que adquirem produtos em seus países de origem e os enviam pelo correio, livres de tributação.

Para refrear a queda do consumo doméstico de artigos de luxo, as marcas chinesas têm investido na revitalização, apostando cada vez mais em quatro estratégias para garantirem seu espaço no continente: exclusividade, otimização da produtividade, engajamento e criação de conteúdo digital, além de investimentos para serem percebidas como “jovens e elegantes”.