Brasil Eco Fashion apresenta marcas brasileiras na Semana de Moda de Milão

Brasil Eco Fashion

A iniciativa pioneira levará um grupo de marcas para apresentação de produtos e desfiles entre os dias 24 e 25 de setembro em uma das mais importantes vitrines de moda do mundo.

O objetivo é posicionar as marcas brasileiras de moda sustentável no mercado internacional. O avanço é da Brasil Eco Fashion, plataforma aliada de quem ousa empreender no segmento de moda ética e responsável no país. Entre as ações de consultoria, apoio e capacitação, promove desde 2017 o evento anual Brasil Eco Fashion Week – BEFW – com desfiles, showroom, workshops e rodada de negócios.

“O BEFW já vem realizando rodadas de negócios com compradores internacionais desde a 2ª edição. O crescente interesse trouxe para nós a oportunidade de apresentar algumas marcas e afirmar que o Brasil é referência internacional em moda sustentável”, explica Rafael Morais, diretor executivo do evento.

A edição em Milão é presencial e ocorre em dois dias de showroom para compradores sendo um dia também dedicado a desfiles para convidados e para a imprensa. “Esta é a primeira versão do evento fora do país e deve acontecer de forma simultânea com a 5ª edição online no Brasil, será um evento em formato digital (físico e digital)”, revela Morais.

De acordo com Yulia Palchykova, diretora do Fashion Vibes, realizadora da mostra BEFW em Milão, a criatividade da moda brasileira deve chamar a atenção do mercado internacional que tem dado ênfase para a sustentabilidade em oposição ao fast fashion. “O Brasil é rico em matérias-primas, mas também em criatividade baseada na diversidade cultural. É um país com visão única de mundo e nosso objetivo é evidenciar o desenvolvimento nesta direção, promovendo designers que valorizam em suas coleções as suas raízes, a sua cultura e incrível energia”, disse.

Leandro Castro_Crédito: Marcelo Soubhia /Agência Fotosite ( @agfotosite)

Inovação têxtil consolida a indústria brasileira da moda sustentável

Participam da edição BEFW na Milão Fashion Week as marcas Natural Cotton Color, Helena Pontes, Catarina Mina, Ricco Bracco, Enéas Neto, Libertees, KF Branding collab com Woolmay Mayden e Dona Rufina. As marcas apresentam inovações da indústria têxtil com tecidos inéditos de fibras naturais como o Denim com cor, mas sem tingimento. Trata-se do algodão colorido da Paraíba, que já nasce em tons de bege, marrom e verde e tem certificação internacional de produto orgânico. Há também tecidos que abordam conceitos de economia circular feitos com algodão e resíduos de linho em fusão com a seda do Vale da Seda, no Paraná, além de acessórios produzidos com borracha vegetal.Também serão apresentadas técnicas artesanais tradicionais realizadas em arranjos produtivos em sete estados brasileiros, como a renda de bilro desenvolvida por comunidades no Ceará, inovações em renda renascença realizadas no Cariri paraibano, a lã naturalmente colorida por associação de mulheres do Rio Grande do Sul, os bordados produzidos em associações de artesãs no Distrito Federal e as estamparias criadas com tingimento natural em Minas Gerais, além de produtos feitos em teares manuais em Pernambuco.

A plataforma Brasil Eco Fashion já vem trabalhando na capacitação das empresas para atuarem na exportação. “O treinamento é feito internamente e tem a contribuição das marcas participantes com experiência em negócios internacionais”, disse Morais.

A realização da BEFW durante a Semana de Moda de Milão é feita em parceria com a Associação Brasileira da Moda Sustentável – Abrimos. A entidade, criada em 2020, reúne empresas deste importante setor da Economia Criativa orientadas pela sustentabilidade ambiental, social, econômica e cultural. A 5ª edição digital do BEFW já conta com parcerias importantes, que vêm se consolidando desde as edições anteriores, como o patrocínio Master da Renner e do Mercado Livre, e co-patrocínio da Vert Shoes, além da parceria desde a 1ª edição com a Unibes Cultural.

Catarina Mina_Crédito: Marcelo Soubhia /Agência Fotosite ( @agfotosite)
Helena Pontes_Crédito: Marcelo Soubhia /Agência Fotosite ( @agfotosite)
Natural Cotton Color_Marcelo Soubhia /Agência Fotosite (@agfotosite)
Nuz_Crédito: Marcelo Soubhia /Agência Fotosite ( @agfotosite)

Sobre a BEFW – semana de moda sustentável

Ao longo de quatro anos o evento reúne empresas que atendem critérios de sustentabilidade. Com a primeira edição realizada em 2017, logo tornou-se referência por apresentar diversidade de matérias-primas, uso de tecnologias sustentáveis, gestão de recursos, processos produtivos, propondo ao mercado novos modelos de negócios. Até 2020, reuniu mais de 150 empresas, entre marcas de moda e fornecedores de insumos para a indústria. A BEFW já realizou cerca de 250 atividades, como desfiles, talks, palestras, workshops e oficinas, envolvendo 150 speakers, convidados nacionais e internacionais das áreas de negócios, criação, produção, inovação e tecnologia para a moda. O evento vem engajando consumidores para melhores hábitos. Hoje conta com público presencial de aproximadamente 7000 pessoas e 10.000 pessoas no formato digital, com um evento orientado para a promoção à diversidade, igualdade de gênero e acessibilidade. Ao final de cada mostra, sempre há compensação de carbono.
Por que uma semana de moda sustentável é tão importante?
Os atores do setor da moda têm um papel fundamental a desempenhar no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A indústria da moda é uma indústria global de US $ 2,4 trilhões que emprega aproximadamente 300 milhões de pessoas em toda a cadeia de valor – muitas das quais são mulheres – e a escala da indústria só deve crescer nos próximos anos.

Dada a sua dimensão e alcance global, as práticas insustentáveis no setor da moda têm impactos importantes nos indicadores de desenvolvimento socioambiental. Sem grandes mudanças nos processos de produção e nos padrões de consumo da moda, os custos sociais e ambientais do setor continuarão a aumentar. (dados retirados do site UN Alliance)Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), a indústria da moda é responsável por 10% das emissões globais anuais de carbono, mais do que todos os voos internacionais e transporte marítimo juntos. Nesse ritmo, as emissões de gases de efeito estufa da indústria da moda aumentarão mais de 50% até 2030. Se os padrões demográficos e de estilo de vida continuarem como estão agora, o consumo global de vestuário aumentará de 62 milhões de toneladas métricas em 2019 para 102 milhões de toneladas em 10 anos.

Serviço:
Brasil Eco Fashion Week – edição Semana de Moda de Milão, 24 e 25 de Setembro 2021.
5ª Brasil Eco Fashion Week – edição online, 24 a 30 de Setembro 2021.